Pri Bertucci [SSEX BBOX]

Pri Bertucci [SSEX BBOX]

Artista social, educador e pesquisador da área de diversidade a pelo menos duas décadas. Identifica-se como pessoa parda / não branca, transgênero/não binário/gender queer. É CEO da [DIVERSITY BBOX] consultoria; fundador do Instituto [SSEX BBOX], projeto pioneiro no tema de justiça social; cocriador da linguagem neutra e do pronome de gênero neutro na língua portuguesa ILE/DILE e produtor executivo da Marcha do Orgulho Trans de São Paulo.

[SSEX BBOX] é um projeto de justiça social, lançado em 2011, que procura dar visibilidade às questões de gênero e sexualidade em São Paulo, São Francisco, Berlim e Barcelona, cujo objetivo é fornecer instrumentos para a expansão da consciência, reduzir o isolamento, facilitar a educação, estimular a criação de comunidades e questionar antigos conhecimentos sobre a sexualidade e gênero, focado na temática / população LGBTQIA+.

15º MARCHA DO ORGULHO TRANS DE NOVA IORQUE

 

Os motivos que levaram à criação de Marcha do Orgulho Trans são semelhantes em todos lugares do mundo. Como podemos perceber no release da 15 marcha do orgulho trans de NYC que dizia “Como reconhecemos 15 anos resistindo ao apagamento da luta da TGNC durante a temporada do PrideRIDE, também estamos dando continuidade à nossa campanha Brick by Brick para fazer mudanças culturais e sistêmicas em torno da moradia para pessoas trans e de gênero não-conformistas.

Vivemos em uma época em que povos oprimidos, incluindo pessoas não-brancas, imigrantes, jovens e idosos, pessoas com deficiências, mulheres, pessoas não-conformes trans e de gênero e pessoas pobres são carentes, enfrentam níveis mais altos de discriminação e experimentar uma maior violência nas mãos do estado. Devemos nos unir e trabalhar juntos para desmantelar a transfobia, o racismo, o classismo, o sexismo, a velhice, o poder, a homofobia e a xenofobia que permeiam nossos movimentos pela justiça social.”

Nossa equipe, incluindo Pri Bertucci (nosso CEO) estiveram na Marcha, e em outros eventos do mês de Pride. E reunimos sua percepção como participante.

Com um enfoque maior no apagamento de Sylvia Riviera e Marsha P. Johnson, muito mais do que o tema do aniversário de Stonewall. A marcha aconteceu num dia quente, no Washington Square Park, onde famílias tradicionais e queer, crianças e toda comunidade conviviam harmoniozamente enquanto se refrescavam na fonte do parque, enquanto o público aos poucos se concentravam com seus cartazes. “Foi muito importante ver a representatividade dentro de grupos étnicos/raciais como latinos, asiáticos, pessoas do oriente médio e norte da África.

E ao final da marcha, o arco foi projeto as bandeiras lgbt e trans, que alternavam.